episódio 07 - O Design

Estética de Engenharia

 

Entrevista com
Andrea Ferraresi,
Ducati Head of Design.

A Ducati é a única marca de motos que já ganhou o prêmio Red Dot Award e o prestigioso Compasso de Ouro. Somos maníacos por design e criar uma Ducati não é como criar outra moto. Há caráteres essenciais que pertencem apenas a nós. Projetos como Monster, 916, Diavel e Panigale representam uma etapa na história do design de sua categoria.

A filosofia de design da Ducati foi construída por subtração, reconhecendo o estilo mais puro na pesquisa profunda de moldes fundamentais. Até a estética da cor é criada com respeito à natureza dos elementos. No 1708 é possível distinguir com o Vermelho Ducati a cor original dos preciosos materiais que a compõe: os diferentes tipos de carbono, titânio e alumínio.

Conversamos com Andrea Ferraresi, Ducati Head of Design.

“Se o design das supermotos Ducati foi sempre tecnológico, o projeto 1708 se torna um resumo de estilo.

O trabalho da equipe de design se desenvolveu principalmente na expressão de formas e materiais. Trabalhamos para criar uma dança de linhas e profundidades entre o vermelho Ducati e o carbono visível. 1708 é um projeto no qual, mais do que nunca, foi indispensável valorizar a beleza da técnica. O nosso trabalho foi orientado para permitir que a estética da eficiência funcional sobressaia.”

 

O projeto 1708 é a moto mais avançada que a Ducati já produziu. Cada parafuso, cada componente, é pesado e controlado para permitir a melhor proporção de peso/potência. Os detalhes estéticos não são exceção, para os quais as licenças de estilo gerais não podem obviamente ser utilizadas.

“Se a tarefa de um designer industrial é valorizar a estética da tecnologia, com o 1708 a tarefa foi elevada à enésima potência. Se em motos menos extremas são possíveis alguns descontos estéticos no rigor da engenharia, aqui não. Nenhum. No projeto 1708, as 5 gramas a mais para o adesivo e duzentas gramas para a pintura especial não são contabilizadas. Não há detalhes, nem mesmo estéticos, que podem alterar o desempenho. Em todos os aspectos é tratada como uma moto de corrida.

Neste sentido é um projeto muito desafiador para trabalhar porque o designer deve intervir cuidadosamente, de forma muito discreta e decidida, cuidando dos detalhes para que esteja presente inequivocamente a assinatura Ducati.”

 

 

É comum para a Ducati abordar seu design mais exclusivo com uma pintura inspirada pelo MotoGP no ano em que o design começa. O 1708 não foi exceção. O carbono visível alterna com as linhas branca e preta sólidas que tem como objetivo aprimorar o material nobre do cárter.

“A escolha de não colorir as asas foi fortemente valiosa, pois a inclinação dos gráficos foi pensada para incorporar nas linhas da moto, dissolvendo a dimensão física em uma dimensão visual. Esse jogo é particularmente evidente no momento onde é possível girar ao redor da moto, cujas proporções mudam e são enriquecidas com pontos de fuga interessantes à medida em que se aproxima.”

 

 

A aerodinâmica é o elemento de evolução mais importante desta Superleggera V4 na qual foi fundamental medir a intervenção como um designer. Tem um ponto de início visual no qual são elaborados todos os detalhes estéticos da moto.

“A atenção obsessiva aos detalhes foi seguramente o maior esforço em termos de projeto, pois essa moto nasceu para correr e cada milímetro visível deve transmitir a potente vibração estética da moto de corrida mais exclusiva do planeta.”