episódio 05 - O Motor

O poder da leveza do motor

 

Entrevista com
Enrico Poluzzi,
Ducati Engine Design Manager.

O design do motor certamente é uma das características mais marcantes da Ducati. Um campo onde a distribuição desmodrômica se tornou uma assinatura exclusiva. Desenvolver o
motor para o projeto 1708 significa realizar o propulsor Ducati mais sofisticado de todos os tempos. Peça por peça, trabalhando em cada componente para torná-lo o mais leve possível.
Encontrar o espaço para a inovação em cada detalhe.

Conversamos sobre isso com Enrico Poluzzi, Gerente de Design de Motor da Ducati.

“O início do trabalho no projeto 1708 foi realmente entusiasmante: tivemos liberdade para pensar em soluções não convencionais e usar a nossa criatividade. O campo de jogo é mais amplo, a minha equipe teve a preciosa autonomia de projetar independentemente dos custos. e ter acesso ao uso de materiais, processos, tecnologias que usamos geralmente apenas no mundo das competições.

Também é um momento extremamente envolvente para todos, porque cada grupo de trabalho sabe em quais componentes há uma margem técnica ou uma alternativa tecnológica e, portanto, põe em jogo o seu conhecimento específico. É um projeto no qual há um mandato para fazer coisas impossíveis.”

O entusiasmo é seguido pela competência do desenvolvimento de engenharia técnica. Como em qualquer outra área do projeto 1708, nada é deixado ao acaso no desenvolvimento doe motor. Uma análise completa de cada microcomponente é realizada para entender quais são as oportunidades evolutivas, para testar novos materiais e novas geometrias. Entrar na experimentação futurista para alcançar algo que nunca foi feito antes.

“Quando o projeto começa, enfrentamos a lista de materiais do motor com todos os 600 códigos das peças. Analisamos todos os componentes e depois decidimos no que trabalhar. Em alguns, a pesquisa por soluções experimentais começa; em outros, sabemos que podemos intervir com mais facilidade, porque já conhecemos os seus limites e as margens de desenvolvimento.

A prioridade reside nos componentes realizados nos materiais de maior densidade para avaliar a substituição por materiais mais leves : trocamos todos os parafusos de aperto das bases e dos cabeçotes do aço para o titânio. A mesma escolha também se estendeu aos elementos de aperto menores como os parafusos das coberturas das tampas das cames. Componentes de pequenas dimensões mas muito numerosos.”

 

 

A escolha dos materiais é o primeiro passo, acompanhada por um trabalho meticuloso nas geometrias que se desenvolve em duas direções diferentes: a primeira para controlar se novos materiais não apresentam dificuldades de aplicação, a segunda para melhorar e tornar os componentes existentes mais leves.

“Em muitos componentes foi trabalhado o aperfeiçoamento, afinando as espessuras e introduzindo alívios originariamente não presentes . Com essa abordagem revimos, por exemplo, as engrenagens da partida e as árvores de cames que foram trabalhadas com furos de alívio complementares nos lóbulos e longitudinalmente, reduzindo a seção em todo o comprimento da árvore.

42% dos componentes foi redesenhado para obter, em alguns casos, algumas dezenas de gramas. Adicionando-os, no entanto, o impacto é extremamente consistente e produz uma redução de peso de 2,8 kg em relação à versão montada na Panigale V4 S.

Um componente onde conseguimos obter uma economia significativa de peso é o grupo bombas de óleo; neste caso, intervimos simplificando drasticamente o design do grupo, diminuindo de 3 para 2 o número das bombas de recuperação. Graças ao redesenho completo dos canais dentro da bomba, conseguimos manter manter inalterada a sua funcionalidade , ou seja, drenar o óleo dos mesmos ambientes e com a mesma eficácia da bomba padrão.”

 

 

O trabalho de desenvolvimento deste motor também adiciona características únicas à sensação de dirigir. No que se refere ao alívio nas mudanças de direção, e principalmente no que se refere ao aumento da reatividade gerada agindo na inércia dos componentes do volante. As habilidades de engenharia da Ducati são 100% exploradas em cada etapa, a fim de criar um motor que tenha a sua própria característica específica.

“Em relação à V4 base, há um trabalho de redução todas as massas do volante, principalmente aquelas ligadas ao grupo do acoplamento obtidas bielas de titânio (e, portanto, reduzindo também os contrapesos do virabrequim). Os elementos que fornecem a maior contribuição para a inércia das massas rotativas do motor são todos aliviados: isso implica uma maior rapidez ao aumentar e ao reduzir as rotações. Portanto, o motor é projetado para reagir instantaneamente às exigências do piloto.

Foi um trabalho exigente, de cinzel, porque os componentes de partida do motor padrão já possuem um alto nível de otimização. Por isso, agimos nos detalhes, adicionamos furos, diminuímos espessuras para ganhar peso sem, no entanto, e isso é muito importante, prejudicar a confiabilidade: os componentes do motor do Projeto 1708 são deliberados usando os mesmos padrões adotados para os componentes dos motores de produção normal, não há desconto.”

 

 

Cada componente do motor foi levado ao limite A complexidade dos processos é muito maior. E, por conseguinte, os controles e as simulações devem estar atualizados para levar a minúcia artesanal à confiabilidade industrial. A equipe de Enrico submete o projeto à horas de FEM e à simulação estrutural. Para o motor de 1708, a Ducati realiza um processo de radicalização semelhante ao que a Ducati Corse faz para os motores de competição, mas com coeficientes de segurança típicos de um produto homologado para a produção de série

“É um motor de competição que, porém, deve ter garantia para toda a vida. Isso envolve outras precauções. Por exemplo, o titânio é um material nobre, mas gera mais atrito nas superfícies de deslize. Esse aspecto deve ser especialmente mantido sob controle nos parafusos, a partir do momento que no ato do aperto deve ser garantida uma carga axial certa e repetível . Por isso, utilizamos um revestimento específico para eliminar totalmente esse problema .”

 

 

Ter o mandato de excelência permite o crescimento individual e de grupo da Ducati, porque mesmo as ideias descartadas levam a equipe a aprofundar as inovações tecnológicas experimentais. É uma busca por novos limites de desempenho que estabelece as bases para o futuro, gerando uma criatura automobilística verdadeiramente exclusiva.

“Participar do desenvolvimento do motor 1708 é realmente uma experiência única. É um trabalho que enche toda a equipe de orgulho, e também de entusiasmo e energia no que diz respeito à liberdade criativa que é concedida. Sob todos os aspectos, torna-se um momento de pesquisa e desenvolvimento que afeta o conhecimento da equipe em nível global. Somos estimulados a procurar novas soluções também fora de qualquer padrão consolidado. Isso nos permite ousar e sentir o projeto como uma expressão das nossas competências e da nossa pessoa. É um grande momento de realização.”